Assembleia debate ações fiscais e tributárias de apoio à agropecuária


A Comissão de Desenvolvimento, Turismo e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) realizou, nesta sexta-feira (11), Audiência Pública para debater ações fiscais e tributárias de apoio à agropecuária paraibana. Para o deputado estadual Ricardo Barbosa, que solicitou a realização da audiência, o setor agropecuário vem enfrentando dificuldades no que diz respeito às condições de competitividade com produtores de outros estados.

O deputado Ricardo Barbosa destacou a relevância da atividade pecuária na história da Paraíba. Para o parlamentar, a capacidade que a Paraíba possui para produzir alimentos precisa ser estimulada. “Além de estratégico do ponto de vista econômico, o apoio à produção de carne é também um dos fatores relevantes para a segurança alimentar da população paraibana”, argumentou Ricardo Barbosa. O deputado lembrou que a Operação Carne Fraca, realizada pela Polícia Federal em março deste ano, também prejudicou os produtores paraibanos, já que com os embargos à carne brasileira por parte de países como a China e os Estados Unidos, grandes produtores do setor agropecuário ficaram impossibilitados de exportar suas produções, passando a comercializá-las internamente com grandes benefícios fiscais. “O produtor paraibano passou a conviver com a ameaça decorrente da concorrência desleal da carne fria, que é a carne congelada, que chega à Paraíba, vindo de estados do Norte e do Centro-oeste, contando com tributação camarada em sua origem se comparada a que é aplicada à produção local”, opinou o deputado.

O secretário de Estado da Agropecuária da Paraíba, Rômulo Araújo Montenegro, chamou atenção para os incentivos fiscais que beneficiam os grandes produtores das regiões Sul e Centro-oeste do Brasil, permitindo que a carne resfriada produzida nessas regiões possa chegar à Paraíba com valor mais baixo em relação à carne produzida aqui. “Um boi para se produzir aqui no estado é muito mais caro do que produzi-lo nas regiões Centro-oeste e Sul, que têm uma regularidade de chuva, o boi engorda em pasto natural, já aqui, no período de seca, o boi engorda em confinamento, o que encarece o custo de produção. É necessário que tenha uma política de incentivo que considere as peculiaridades do Nordeste e da Paraíba, especificamente. O secretário afirmou que uma comissão composta por vários órgãos do Governo do Estado e presidida pela Secretaria de Agricultura buscará identificar obstáculos e adotar iniciativas prudentes para o Estado e para o produtor paraibano. “O setor postula o aumento da alíquota para a carne fria e congelada que vem de fora. Hoje, essa carne paga 4% para entrar no estado. Estados como Alagoas, Tocantins e Goiás aumentaram essa alíquota para 12%, alguns outros aumentaram para 16% como forma de inibir o acesso desenfreado”, afirmou o secretário, acrescentando ainda que o objetivo é fortalecer a produção interna.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

^ Ir Para Topo ^