Entidades beneficiadas com multa aplicada prestam contas

As sete entidades e instituições do município de Areia (a 120 quilômetros de João Pessoa) beneficiadas com recursos financeiros provenientes do acordo judicial celebrado entre o Ministério Público da Paraíba (MPPB) e a Companhia de Águas e Esgoto da Paraíba (Cagepa) começaram a prestar contas à Promotoria de Justiça de Areia.

O acordo judicial homologado em maio do ano passado – em função de uma ação civil pública ajuizada em 2015 pela promotoria contra a Cagepa – estabelecia prazos para que a companhia concluísse obras de ampliação do sistema de distribuição de água no município de Areia, além do pagamento de multa no valor aproximado de R$ 100 mil, pelo descumprimento de acordo firmado anteriormente.

Segundo o promotor de Justiça Newton Chagas, a multa foi paga e revertida em benefício da Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora da Conceição; da Loja Maçônica Leônidas Santiago, do Grupo de Escoteiros Professor Fernando Peixe, do Grupo de Bombeiros Voluntários, da Associação Comunitária do Bairro Frei Damião, da Associação de Cultura Popular Vila Real e da Apae de Areia. “Com os recursos, as entidades financiaram obras e benfeitorias em suas sedes e prédios para melhorar e ampliar o atendimento à população e também fizeram a aquisição de equipamentos e materiais para viabilizar a realização de projetos sociais em benefício da população do município”, explicou.

Ações e projetos

A Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora da Conceição recebeu R$ 20 mil para construir o salão comunitário no bairro Conjunto Padre Maia, onde é realizado o projeto “Ciranda de Solidariedade”. A verba está sendo destinada às atividades e ações básicas de saúde, nutrição e educação de crianças.

A Loja Maçônica recebeu cerca de R$ 21,6 mil para financiar o projeto de curso de corte e costura desenvolvido desde 1998 no município. O curso é voltado a mulheres que vivem em contexto de vulnerabilidade social e ensina as participantes a confeccionarem enxovais de bebês e artigos de cama, mesa e banho. Parte dos enxovais de bebês (40%) é destinada gratuitamente a gestantes e mães carentes. Com os recursos provenientes do acordo judicial, a entidade adquiriu equipamentos (como máquinas de costura e bordar) e matéria-prima.

O Grupo de Escoteiros recebeu cerca de R$ 10 mil para financiar a aquisição de materiais e equipamentos para a sede da entidade e realização de eventos. Já a Associação Comunitária do Bairro Frei Damião recebeu R$ 5 mil, para financiar a reforma da sua sede e viabilizar os projetos sociais já realizados no local, como zumba, encontros religiosos e reuniões esportivas.

Ao Grupo de Bombeiros Voluntários foram destinados R$ 10 mil para aquisição de equipamentos de escritório e informática. A Associação de Cultura Popular Vila Real, por sua vez, recebeu R$ 5 mil para financiar o projeto “Capoeira na comunidade, cultura de paz”, fazendo a aquisição de materiais e instrumentos (como berimbaus, atabaques, pandeiros, etc), equipamentos (aparelho de datashow, som e amplificador) e roupas para os alunos praticarem o esporte.

A Apae de Areia foi a entidade que recebeu mais recursos provenientes da multa paga pela Cagepa. A entidade fundada em 2003 atende, atualmente, cerca de 60 pessoas com diversos tipos de deficiência. A ela foram destinados cerca de R$ 35 mil, para custear projeto de melhoria e manutenção de suas instalações e para fazer a aquisição de material e equipamentos (como cadeiras de rodas, piso tátil, material para equoterapia e equipamentos de fisioterapia).
MP

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

^ Ir Para Topo ^