HOME_______________________________________________

Confira os dias de maior movimentação nos aeroportos durante o Rio 2016

Levantamento realizado pela Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República mostra as estimativas da movimentação de passageiros por hora e por dia nos dez principais aeroportos do Brasil envolvidos na programação dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Entre 1º de agosto e 24 de setembro, a expectativa é de que o Galeão (RJ) receba, no dia 22 de agosto, o maior número de pessoas. Para o Santos Dumont (RJ), o pico é estimado para os dia 5, 19 e 26 de agosto; Guarulhos (SP), no dia 22 de agosto; Congonhas (SP), em 12 de agosto; Viracopos (SP), dia 22 de agosto; Brasília (DF), em 22 de agosto; e Confins (BH), 15 de agosto.

A maior movimentação média diária está prevista para os dias 22, 15 e 5 de agosto, com expectativa de circulação de, respectivamente, 405 mil, 393 mil e 388 mil passageiros. O dia 22 sucede o encerramento dos Jogos Olímpicos; o dia 15 é a segunda-feira posterior ao fim de semana no qual devem ser disputadas cerca de 60 medalhas de ouro, quase 20% do total, nas modalidades de natação, atletismo e ginástica artística – esportes que atraem, via de regra, um grande público; e no dia 5 ocorre a Cerimônia de Abertura das Olimpíadas.

Jogos Paralímpicos

Para os Jogos Paralímpicos Rio 2016, o dia mais movimentado será 16 de setembro, uma sexta-feira, com estimativa de 377 mil passageiros em trânsito pelos terminais analisados.

O objetivo do estudo é preparar os aeroportos e as companhias aéreas para os 11 mil atletas, membros de delegações e turistas de 206 países. Esse público soma mais de 1 milhão de passageiros que devem circular pelos 39 aeroportos envolvidos na operação aérea especialmente planejada para o evento.

“De posse desses dados, os gestores aeroportuários poderão se preparar de forma mais assertiva e melhor dimensionar seus recursos humanos e equipamentos para atender aos horários e dias de maior movimentação em seus aeroportos. O grande fluxo de autoridades e delegações desportivas internacionais, o manuseio dos equipamentos para as competições, a atenção aos atletas paralímpicos, além de animais, exige um tratamento adequado para essas especificidades. O relatório também auxilia na gestão das empresas aéreas”, avalia o secretário executivo da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República, Guilherme Ramalho.

As projeções poderão ser alteradas assim que novos voos não regulares forem alocados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A cada 30 dias, essa base de dados com a oferta dos assentos será modificada e, consequentemente, as estimativas do estudo são atualizadas.

Metodologia

Para cada aeroporto, o estudo tem quatro métodos distintos de medição. O primeiro modelo diz respeito à estimativa de partidas domésticas, o segundo sobre chegadas domésticas e os demais para embarques e desembarques internacionais.

A base de dados utilizada foi cedida pelos operadores aeroportuários, nesse caso, as concessionárias e Infraero. As informações contêm número de voos, quantidade de assentos ofertados, quantidade de passageiros transportados, origem e destino, categoria do voo (Regular, Aviação Geral, Fretamento etc.), classe (doméstico ou internacional), data e hora previstas e data e hora realizadas. O período de referência analisado foi de junho a agosto de 2014, durante a Copa do Mundo Fifa Brasil 2014. Dessa forma, foi possível acompanhar a variação da demanda e representar o impacto de grandes eventos internacionais no setor da aviação brasileira.

Setor Aéreo nos Jogos

Mais de 1 milhão de atletas, delegações e turistas circularão pelos aeroportos cariocas, e 4,7 milhões de volumes de bagagem serão processados ao longo dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Cerca de mil voluntários participarão do atendimento ao público nos aeroportos.

O megaevento vai trazer ao Brasil delegações de 206 países e mais de 100 chefes de Estado. Trinta e nove aeroportos estarão envolvidos na operação especial do setor, todos localizados nas cidades-sede ou a até 200 quilômetros delas.

A Secretaria de Aviação Civil estima que 4 mil são atletas paralímpicos, reforçando o desafio da acessibilidade nos aeroportos brasileiros. Em torno de 2.200 controladores de voo já receberam treinamento específico para o evento, e mais de 1 mil vagas extras serão criadas nos pátios dos terminais para estacionamento de aeronaves no período. “A experiência que o Brasil e nossas instituições ganharam realizando grandes eventos não pode ser desprezada. Isso deriva de um planejamento integrado dos órgãos do setor na Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero). A troca rápida de informações entre os órgãos é o segredo para o sucesso”, avalia Ramalho.

O governo federal vai monitorar toda a operação da Rio 2016 a partir de uma sala de comando e controle integrados, instalada dentro do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), pertencente ao Comando da Aeronáutica e subordinada ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), no Rio de Janeiro (RJ). A Sala Master funcionará de 20 de julho a 24 de setembro, 24 horas por dia, com representantes de todos os órgãos públicos, companhias aéreas e gestores envolvidos na operação aeroportuária brasileira para o evento.

­Portal Brasil, com informações da Secretaria de Aviação Civil
Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja online a situação da Pandemia

^ Ir Para Topo ^