On line

CPI da Banda Larga escuta representantes da Claro e da Tim

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) que investiga a prestação de serviços de internet banda larga na Capital ouviu, nesta segunda-feira (22), as operadoras Claro e Tim. Os representantes das empresas esclareceram questionamentos dos vereadores sobre contratos, velocidade e medição de internet e a utilização dos postes de eletricidade pelas operadoras.

O representante de relações institucionais da empresa Claro, Fábio Andrade, iniciou sua explanação afirmando que a empresa possui a mais completa infraestrutura do Brasil, atua com 60 milhões de clientes como um todo, sendo mais de 10 milhões em banda larga fixa, e consegue cobrir 98% do estado.

Fábio Andrade explicou que a velocidade da internet fixa depende do modem da residência. “Conseguimos que esse modem receba com diferença de 10%, mas quando ele roteia, perde um pouquinho de qualidade”, esclareceu Fábio Andrade, acrescentando que é preciso a realização de campanhas educacionais e que a empresa busca sempre clareza técnica na realização do serviço.

Respondendo a questionamento do relator da CPI, Odon Bezerra (Cidadania), o representante da Claro explicou que a empresa tem grande variedade de serviços ofertados e que a preocupação para que não haja fraudes nos contratos pode prejudicar o diálogo com o consumidor. “Caso haja erro, grande parte é por causa da nossa prevenção de fraudes, pois sempre tentamos ser cuidadosos e isso pode gerar um não entendimento”, afirmou, destacando que os modelos padrão de contrato estão disponíveis no site da empresa e que o consumidor tem acesso aos contratos realizados, seja entregue em mãos ou a pela requisição da gravação, no caso de contratos fechados remotamente.

Respondendo ao vereador Junio Leandro (PDT), o representante da Claro explicou que a baixa de velocidade também pode ocorrer por mau uso da internet. “Como não há limite de dados estabelecido pela Anatel, não podemos limitar os dados de quem faz uso indevido. Se na sua rua tem alguém que passa o dia baixando filme, vai influenciar no seu consumo. Então, essa sensação de lentidão pode ser do uso indevido do serviço”, esclareceu, acrescentando que a replicação de uma fonte de internet para várias casas, o chamado gato, também é um mau uso e causa a sensação de lentidão da internet.

Quando questionado pela presidente da CPI, vereadora Eliza Virgínia (Progressistas), sobre a educação do consumidor, Fábio assumiu que há certa dificuldade do consumidor em entender aspectos técnicos, mas que a empresa procura resolver disponibilizando tecnologias, como o aplicativo medidor de internet no site da empresa.

Já sobre os processos utilizados na instalação dos serviços, Fábio respondeu a Eliza Virgínia que a empresa “investe muito em conhecimento e capacitação, mas temos empresas terceirizadas locais que geram empregos para a cidade”. E continuou: “Existem falhas, mas acredito que não é falta de capacitação propriamente dita. A convergência dos serviços exige cada vez mais pessoas capacitadas”, declarou, enfatizando que está registrando todos os pontos debatidos para discuti-los com cada área da empresa e procurar melhorar o serviço.

Print Friendly, PDF & Email

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios