CotidianoDestaques

INSS vai pagar mais de 450 bilhões em benefícios

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), se reuniu no início da tarde desta quarta-feira (10), em Brasília, com Leonardo Gadelha, presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), agora vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e ao Ministério da Fazenda.

O assunto predominante no encontro foi a reforma da Previdência, onde o senador solicitou dados que possam balizar o posicionamento dele na provável proposta de reforma previdenciária. O presidente do INSS se comprometeu de fazer algumas estratificações para subsidiar o posicionamento do senador.

“Eu acho muito importante que os senadores tenham acesso a esses dados para que eles possam compreender a complexidade desse contexto no qual estamos inseridos. O INSS hoje tem um déficit crônico bastante significativo”, disse Gadelha.

A estimativa apresentada por Leonardo Gadelha, é que para esse ano de 2016, o INSS vai pagar mais de 450 bilhões em benefícios, o que dá mais de 8% do Produto Interno Bruto (PIB) Brasileiro.

“É uma conta que precisa ser resolvida e eu acho que ela começará a ser enfrentada a partir da reforma da previdência. E para que os senadores votem, façam seu juízo de valor da maneira mais abalizada possível, é necessário que eles tenham acesso aos dados, e por isso eu acho que foi uma inciativa muito feliz do senador Cássio neste sentido”, declarou Leonardo Gadelha, que ainda apresentou ao senador as soluções tecnológicas que em breve serão adotadas para dar maior eficácia e celeridade aos atendimentos.

O INSS atende uma média mensal de 4 milhões de pessoas, onde só de perícias são em média/mês um total de 600 mil. Atualmente, são mais de 33 milhões de brasileiros que se beneficiam dos serviços prestados. Já a atual rede de Rede de Atendimento possui 1.514 agências da Previdência Social (APS), e só de benefícios emitidos no mês de junho, por exemplo, chagaram a 33,5 milhões no valor de 37,5 bilhões.

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), se reuniu no início da tarde desta quarta-feira (10), em Brasília, com Leonardo Gadelha, presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), agora vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e ao Ministério da Fazenda.

O assunto predominante no encontro foi a reforma da Previdência, onde o senador solicitou dados que possam balizar o posicionamento dele na provável proposta de reforma previdenciária. O presidente do INSS se comprometeu de fazer algumas estratificações para subsidiar o posicionamento do senador.

“Eu acho muito importante que os senadores tenham acesso a esses dados para que eles possam compreender a complexidade desse contexto no qual estamos inseridos. O INSS hoje tem um déficit crônico bastante significativo”, disse Gadelha.

A estimativa apresentada por Leonardo Gadelha, é que para esse ano de 2016, o INSS vai pagar mais de 450 bilhões em benefícios, o que dá mais de 8% do Produto Interno Bruto (PIB) Brasileiro.

“É uma conta que precisa ser resolvida e eu acho que ela começará a ser enfrentada a partir da reforma da previdência. E para que os senadores votem, façam seu juízo de valor da maneira mais abalizada possível, é necessário que eles tenham acesso aos dados, e por isso eu acho que foi uma inciativa muito feliz do senador Cássio neste sentido”, declarou Leonardo Gadelha, que ainda apresentou ao senador as soluções tecnológicas que em breve serão adotadas para dar maior eficácia e celeridade aos atendimentos.

O INSS atende uma média mensal de 4 milhões de pessoas, onde só de perícias são em média/mês um total de 600 mil. Atualmente, são mais de 33 milhões de brasileiros que se beneficiam dos serviços prestados. Já a atual rede de Rede de Atendimento possui 1.514 agências da Previdência Social (APS), e só de benefícios emitidos no mês de junho, por exemplo, chagaram a 33,5 milhões no valor de 37,5 bilhões.

Print Friendly, PDF & Email

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios