CulturaDestaques

Primeira etapa do HackFest 2017 chega ao fim

Quebra-Câmara-Quebra-Senado, SouFiscal. Meudeputado.com, Geração Limpa, Minha Cidade, Vidinha de Balada, PaCiente, Folha Limpa, BoBot e Caça Fantasmas foram as dez equipes vencedoras da primeira etapa da 3ª edição do ‘HackFest Contra Corrupção’ do Ministério Público da Paraíba MPPB e são finalistas para a segunda etapa, programada para o dia 18 de agosto.

O evento, iniciado na sexta-feira (9) no Espaço Cultural, em João Pessoa, já terminou. Na solenidade de encerramento, o procurador-geral de Justiça, Bertrand de Araújo Asfora, agradeceu a todos os participantes, parceiros e apoiadores do evento.

O anúncio das equipes finalistas foi feito pelo promotor de Justiça Octávio Celson Gondim Paulo Neto em clima de expectativa. Após o anúncio das dez equipes finalistas, o promotor informou que elas terão um mês para intensificar e aprimorar os trabalhos para que, no dia 18 de agosto, participem da segunda etapa do evento, com a entrega das premiações e disponibilização à sociedade dos melhores softwares desenvolvidos.

“O HackFest representa um começo e vem ao encontro de uma nova sociedade de conhecimento, onde a tecnologia é um instrumento. É importante que o cidadão use essa tecnologia para colaborar, participar e ter uma maior visão de tudo que ocorre na sua cidade, no seu estado e no seu país”, disse o promotor.

Já o diretor administrativo do MPPB, Marcos Vinícius Ferreira Cesário, explicou que este ano o evento superou todas as expectativas, tanto de estrutura quanto de pessoal e apoio. “Tivemos uma grande estrutura que agradou a todos os participantes e visitantes, e muitos demonstraram interesse em replicar o evento. Em agosto, iremos encerrar os trabalhos escolhendo os melhores aplicativos e premiando as dez equipes”, avisou.

De acordo com o regulamento do HackFest 2017, serão premiadas até dez equipes, sendo três com medalhas de ouro, três com medalhas de prata e quatro com medalhas de bronze. As equipes vencedoras com medalha de ouro receberão um prêmio de R$ 10 mil cada uma; as com medalha de prata terão cada uma a premiação de R$ 6 mil; e as com medalha de bronze serão agraciadas com R$ 3 mil.

Os prêmios em dinheiro serão pagos por meio do convênio estabelecido entre a Controladoria Geral da União (CGU) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), devendo ser divididos igualmente entre os integrantes das equipes e entregues conforme cronograma do evento.

Nesta primeira etapa, os trabalhos foram julgados por uma Comissão Julgadora composta por 13 integrantes: Edmilson Campos Leite Filho e Alberto Vinícius Cartaxo da Cunha, representantes do Ministério Público da Paraíba; Luís Guilherme Pontes de Azevedo e Marcos Gerhardt Lindenmayer, da Controladoria Geral da União na Paraíba; Josedilton Alves Diniz e Vinicius Farias Dantas, representantes do Tribunal de Contas da Paraíba; Dimas Queiroz, da Universidade Federal da Paraíba; Gustavo Soares, da Universidade Federal de Campina Grande; Thayana Carla Dias Guerra, do Centro Universitário de João Pessoa (Unipê); Severino Queiroz, da Controladoria Geral do Município de João Pessoa; Hercílio de Medeiros Sousa, do Iesp Faculdades; Bruno Duarte Garcia, do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade); e Rogrigo Gama, do BNDES.

Além do promotor Octávio Paulo Neto e do diretor Marcis Vinícius, a Comissão Organizadora do evento também contou com a participação de Gabriel Aragão Wright (Controladoria Geral da União – Regional Paraíba), Fábio Oliveira Guerra (Tribunal de Contas da Paraíba), e Inez Cândido Borges da Silva Leite (Ministério Público da Paraíba).

O HackFest

O ‘HackFest Contra a Corrupção’, idealizado e promovido pelo Ministério Público da Paraíba, é uma maratona hacker de programação que pretende, por meio do desenvolvimento de soluções tecnológicas, envolver a sociedade no combate à corrupção. Programadores, estudantes e profissionais ligados ao desenvolvimento de softwares, e também das áreas de Direito, Administração, Gestão Pública, Design e Arte/Mídia estiveram reunidos em 17 equipes nesse final de semana, desenvolvendo softwares e apresentando ideias para futuros aplicativos que ficarão à disposição da sociedade.

Após a solenidade de abertura do evento, ainda na sexta-feira, os participantes da maratona de programação iniciaram o chamado “toró de ideias” (brainstorming). Na oportunidade, várias ideias voltadas ao combate à corrupção foram apresentadas e votadas. Em seguida, foram formadas as equipes. Em princípio eram 30 no total, mas, no decorrer dos debates, 17 equipes foram eleitas e formadas. Os maratonistas dessas equipes passaram o sábado (10) e domingo (11) desenvolvendo seus projetos (alguns, inclusive, mudaram de nome no decorrer dos trabalhos). Agora, as dez equipes finalistas terão até o dia 31 de julho para entregarem as aplicações tecnológicas prontas.

Parcerias e apoios

O ‘HackFest Contra a Corrupção’ deste ano, realizado pelo MPPB, por meio do seu Núcleo de Gestão do Conhecimento e Segurança Institucional (NGCSI), que tem como coordenador o promotor de Justiça Octávio Paulo Neto, contou com a parceria da Controladoria Geral da União (CGU); do Centro Universitário de João Pessoa (Unipê); do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB); da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG); do Laboratório Analytics, da UFCG; do Governo da Paraíba; do Banco do Brasil; e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Apoiaram o evento o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), por meio de sua Comissão de Defesa dos Direitos Fundamentais (CDDF); a Rede Paraíba de Comunicação (Jornal da Paraíba); o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud); a Associação Paraibana do Ministério Público (APMP); o Instituto Não Aceito Corrupção; a Associação dos Servidores do Ministério Público da Paraíba (ASMP-PB) e Sindicato dos Servidores do Ministério Público da Paraíba (SindSemp-PB); o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade); e o Tribunal de Contas da União (TCU).

Ainda apoiaram o HackFest a Associação Nacional para Inclusão Digital (Anid); a Universidade Federal da Paraíba (UFPB); o Instituto Federal de Ciência, Educação e Tecnologia da Paraíba (IFPB); o Contas Abertas; a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe); o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); o Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IAIB); a ong SaferNet; o Instituto de Educação Superior da Paraíba (Iesp); a Serenata de Amor (Garoto); a ong Transparência Internacional; e a Controladoria Geral do Município de João Pessoa.

E mais: a Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil (ANTC); o Sindicato dos Profissionais de Auditoria do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (SindContas-PB); a Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB); a Controladoria Geral do Estado (CGE); o Instituto Soma Brasil; o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria Geral da União; o Porto Digital Parque Tecnológico; o Exército Brasileiro (EB); o Ministério Público Federal (MPF); e Castanhola Filmes (produtora que edita o MPTV, jornal institucional televisivo produzido pela Assessoria de Imprensa – Assimp – do MPPB).

As dez equipes finalistas

# Quebra-Câmara-Quebra-Senado: análise dos salários dos deputados federais, senadores e demais servidores do Congresso Nacional. Integrantes: Fagner Lima, Jesus Mercado, Leandro Balby, Tatiana, Ítalo e Gil.

# Soufiscal: aplicativo para denunciar e acompanhar irregularidades em obras públicas. Integrantes: Francisco Porfírio, Delcécio Pereira, Djones Santos, Carlos Henrique e Antônio Jeremias.

# Meudeputado.com: traçar o perfil dos deputados federais de acordo com suas atuações na Câmara. Integrante: Víctor Ximenis, Matteus Silva, Cássio Cabral, Jefferson Lima e Ithanyê Heloísa.

# Geração Limpa: aplicativo lúdico para educar crianças com relação à cidadania. Integrantes: Michele, Danileny, Róbson e Ícaro.

# Minha Cidade: analisar gastos do município de João Pessoa na área de saúde. Integrantes: Kevin Fernandes, Josué Bernadino, Victor Lima, Elcius Júnior, Abraão Honório e Marcos Silva.

# Vidinha de Balada: avaliar gastos dos deputados federais e comparar com a sua atuação na Câmara. Integrantes: Talita Lobo, Hélder Ronyer, Letícia Wanderley, Marta Michelly, Jeferson Neves, Ítalo Medeiros, Arthur Lustosa e Gibran Yasser.

# PaCiente: aplicativo para relatar qualidade dos serviços nos postos de saúde, em particular, a atividade dos médicos, infraestrutura, procedimentos e tempo de espera em fila. Integrantes: Amanda Guedes, Manuella Dantas, Rubem Ribeiro, Yasser Nascimento, Marcelo Trajano, Fábio Dantas e Leonardo Câmara.

# Folha Limpa: navegador de irregularidades (acúmulo de cargos, supersalários etc.) na folha de pagamento do estado da Paraíba. Integrantes: Bonifácio, Gleidson, Ítalo, Rafael, Rodrigo e Yuri.

# BoBot: robô (Bot) no Facebook para registrar ocorrências policiais. Integrantes: Jose Ardiles, Felipe Martins, Elieber, Francisco Neto, Henrique e Glaydson.

# Caça Fantasmas: aplicativo para identificar empresas fantasmas. Integrantes: Vanessa Marques, Emanuel Mesquita, Maurício Lira, Paulo Yamaha, Hebert Diniz, Jackson Terceiro e Alan Roque.
MP

Print Friendly, PDF & Email

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios