HOME_______________________________________________

Câmara debate lei em benefício de artistas da cultura tradicional

joao_pessoa_menorOs problemas enfrentados pelos artistas da cultura popular tradicional foram o tema do debate realizado na tarde desta quarta-feira (23), em sessão especial, na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP). Entre as principais reivindicações estão a burocracia para a formalização de contratos e a cobrança de impostos aos artistas. O propositor do evento, Fuba (PT), se comprometeu em trabalhar na elaboração de uma lei municipal que contemple as expectativas da categoria.
Fuba salientou que há a necessidade urgente da elaboração de uma lei específica que crie de forma estável, independente de quem esteja no governo, uma nova relação do poder público com a cultura popular. Para ele, a cultura popular não precisa ser resgatada, pois nunca deixou de existir, mas ser preservada e respeitada. Sérgio da SAC (PSL), que secretariou os trabalhos, sugeriu criar uma lei que determinasse a reserva de uma quantia mínima de atrações da cultura popular tradicional em todos os eventos municipais.
“Precisamos de uma norma que desburocratize o acesso aos recursos, que ofereça assessoria técnica, jurídica e contábil e pague em dia os cachês de forma prioritária. Precisamos também de uma lei específica para mestres da cultura popular. A Lei Canhoto da Paraíba estabelece número limitado de mestres a serem atendidos. Precisamos avançar e pensar em formas de proteção a todos que preservam nossa cultura popular”, explicou Fuba.
O parlamentou lembrou que é fácil para um pessoense lembrar do patrimônio material e ambiental ao identificar como “sua casa” pontos como o Centro Histórico, o Parque Solón de Lucena (Lagoa), o Farol do Cabo Branco, entre outros locais turísticos. “Onde quer que estejamos, identificamos como o que somos, o nosso sotaque, uma roda de capoeira, nossas tribos de índio, nosso forró e as cantorias de viola, a nossa religiosidade, todas as manifestações de nosso povo. A nossa identidade também é rica. Devemos pensar no nosso modo de ser, nas nossas expressões, jeito de falar, brincadeiras, em toda nossa cultura popular”, frisou.
Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja online a situação da Pandemia

^ Ir Para Topo ^