HOME_______________________________________________

Lewandowski promete diálogo com advocacia para melhorias no PJe

Brasília – Em visita ao Conselho Federal da OAB nesta segunda-feira (18), o presidente eleito do STF e CNJ, ministro Ricardo Lewandowski, prometeu diálogo constante com a advocacia para melhoria do Processo Judicial Eletrônico e comunicou ao plenário da Ordem que não dará prosseguimento à implantação do PJe sem antes ouvir a classe. “A advocacia não é contrária ao PJe, mas se faz necessário o diálogo, para que este projeto esteja viabilizado antes de ser implantado e para que a transição seja segura e gradual”, afirmou Marcus Vinicius Furtado Coêlho, presidente nacional da Ordem.

“O PJe vem sendo gestado há muito tempo, mas apresenta falhas. Temos recebido queixas não só dos tribunais, mas de segmentos diversos, com problemas sérios nos Estados e na advocacia, inclusive de acessibilidade. É um projeto importante e generoso, que contempla o futuro, mas existem criticas e nada faremos sem antes ouvir todos os interessados e usuários do sistema. Pretendo e me comprometo a dentro em breve formar comissão e um encontro para discutirmos todos, tribunais, advocacia, membros do Ministério Público e representantes do CNJ, as potencialidade, virtudes e eventuais falhas desse sistema. Tenho certeza que seremos bem-sucedidos em solução satisfatória que contemple o interesse de todos”, comprometeu-se o presidente do STF.

Marcus Vinicius agradeceu a abertura ao diálogo, característica do ministro Ricardo Lewandowski, egresso da advocacia e membro de tribunais indicado pelo instrumento do Quinto Constitucional. “A advocacia não é contrária ao PJe, mas se faz necessário o diálogo, para que este projeto esteja viabilizado antes de ser implantado e para que a transição seja segura e gradual, como ocorreu, por exemplo, com o Imposto de Renda, em que o papel e o eletrônico conviveram por anos. A advocacia quer o diálogo e a oportunidade de apresentar os gargalos e dificuldades, para que o PJe tenha caráter inclusivo e não de exclusão do acesso à Justiça”, afirmou.

Luiz Cláudio Allemand, membro do Comitê Gestor do PJe no CNJ e presidente da Comissão Especial de Direito da Tecnologia e Informação da OAB, afirmou que advocacia se encontra insegura com a implantação do PJe, principalmente após o CNJ declarar, em 2013, que o sistema estava pronto, mesmo com as sucessivas e constantes falhas de acessibilidade e operabilidade. “Para o desenvolvimento de qualquer software é importante a experiência do usuário. A OAB nunca se colocou contra o PJe, pois ele unificará 46 sistemas do país, mas ele tem de ser bom pra todos usuários, não apenas para quem o idealizou. Sabemos onde está o problema e temos como tentar salvar projeto. A vinda do ministro Lewandowski à OAB representa chance de corrigir erros de gestão e tentar salvar o projeto. Tomo liberdade de sugerir a suspensão imediata de implantações até as melhorias, bem como a transição segura do papel para digital, trazendo alento à advocacia e aos jurisdicionais do pais”, disse.
OAB

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja online a situação da Pandemia

^ Ir Para Topo ^