ManchetesNordeste

Ubam quer urgentes providências do governo frente aos efeitos da seca

O evento será realizado em edições que contemplará todos os Estados do Semi-Árido, com participação de ministros, governadores, deputados e prefeitos, além de organizações não governamentais

A União Brasileira de Municípios (UBAM), através do seu corpo diretivo e técnico estará promovendo e realizando o Encontro das Águas, evento que abrirá um grande debate nos Estados, onde se localizam 1.134 municípios que compõem o chamado “polígono das secas”. o evento está programado para acontecer no dia 05 de maio, no município de Sousa, onde serão debatidos os mais diversos assuntos relacionados à estiagem prolongada e a maior seca dos últimos 50 anos.

A entidade, que congrega os municípios em todo país, é uma das entidades municipalistas mais abalizadas, a qual deu início as suas atividades em 2005, na missão de representar os pequenos entes federados na luta por desenvolvimento, valorização e aparelhamento das prefeituras municipais.

A UBAM trabalha com capacitação de gestores, na defesa da municipalidade, na formação de consórcios públicos, na apresentação e acompanhamento de propostas, no congresso nacional, que beneficiam as prefeituras, também na orientação quanto ao uso legal e racional dos recursos naturais e na representação como associação de municípios.

Para o presidente da UBAM, Leonardo Santana, que é graduado em gestão pública e já conhece com profundidade as causas e efeitos da seca no Nordeste, o Encontro das Águas será uma grande oportunidade para mobilização das principais lideranças municipais e estaduais, com o objetivo de construir uma pauta de discussão no âmbito nacional, sobre a falta de atenção do governo da União aos municípios.

Ele destacou que as mudanças climáticas são alarmantes, trazendo conseqüências que podem se tornar insolúveis em 1/3 de todo o território nordestino, devido à desertificação que já toma uma área de 600.000 km², causando seus efeitos maléficos em mais de 1.400 municípios nordestinos, compreendendo toda Região e parte do Estado de Minas Gerais e Espírito Santo.

Leonardo lamentou que as ações “costumeiras” do governo se limitaram a apenas medidas paliativas e morosidade nas obras de transposição do Rio São Francisco, muita burocracia que limita a liberação de recursos para construção de adutoras e melhor aproveitamento dos recursos hídricos em regiões onde a chuva é mais presente.

“Um país de dimensões continentais como o Brasil, que possui a maior bacia hidrográfica do mundo, o rio Amazonas, com 3.984.467 km2 e 6.570 km, dos quais 3.165 km tem largura média de 4 a 5 km, chegando em alguns trechos a mais de 50 km, no mínimo sofre com o analfabetismo governamental, fato que se dá com a incompetência, a inércia, a burrice e a falta de iniciativa para resolver os problemas nacionais. E, enquanto isso, a maior parte da população espera uma solução que nunca chega”.

Racionamento
Segundo levantamento feito por técnicos da UBAM junto a Cagepa, no Estado já sofrem com racionamento de água quase um terço das cidades paraibanas, são elas:
1. Alagoa Nova
2. Algodão de Jandaíra
3. Araruna
4. Arara
5. Areia
6. Areial
7. Aroeiras
8. Bélem
9. Gado Bravo
10. Bananeiras
11. Barra de Santana
12. Barra de São Miguel
13. Bom Sucesso
14. Brejo dos Santos
15. Caiçara
16. Cacimba de Dentro
17. Cacimbas
18. Campina Grande
19. Carrapateira
20. Casserengue
21. Caturité
22. Cuité
23. Damião
24. Desterro
25. Dona Inês
26. Esperança
27. Jericó
28. Lagoa Seca
29. Lastro
30. Logradouro
31. Matinhas
32. Mato Grosso
33. Montadas
34. Monte Horebe
35. Nazarezinho
36. Nova Floresta
37. Nova Palmeira
38. Pocinhos
39. Puxinanã
40. Queimadas
41. Remígio
42. Riachão
43. Riacho de Santo Antonio
44. Riacho dos Cavalos
45. Santa Cruz
46. São Francisco
47. São João do Rio do Peixe
48. São Sebastião de Lagoa de Roça
49. Serra Redonda
50. Solânea
51. Tacima
52. Triunfo
53. Umbuzeiro

Colapso no abastecimento
Leonardo informou que mais de trinta cidades ficarão sem água nos próximos dois meses, se não houver período chuvoso que compense. Ele destacou também que além do município de Princesa Isabel que possui apenas 3% do reservatório, se encontram em colapso no abastecimento: Piancó, Alagoa Grande, Pilões, Serraria, Natuba, Gurjão, Lagoa, São José de Lagoa Tapada, Cajazeiras, Cachoeira dos Índios e Conceição os distritos de Galante, São José da Mata, Novo Pedro Velho, São Pedro, Riachão, Braga, Vieirópolis, Barreiros e Logradouro.

“Precisamos de mobilização das principais lideranças, eleitas pelo povo para representá-lo e resolver os problemas que o mesmo não pode resolver. Não adianta reuniões e mais reuniões nos luxuosos gabinetes e casa de eventos em Brasília, quando sabemos que nada sai do papel, enquanto do outro lado da ponta existe uma população carente e com sede.”
UBAM

Print Friendly, PDF & Email

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios