HOME_______________________________________________

Parlamentar aborda desapropriação de terrenos de igrejas

A vereadora Eliza Virgínia (PPS), em entrevista ao jornalista Edmílson Lucena, no ‘Jornal da Câmara’ destacou alguns trabalhos sociais realizados pelas igrejas evangélicas e católicas da Capital. O ‘Jornal da Câmara’ tem meia-hora de duração, e é transmitido ao vivo, de terça a quinta-feira, sempre a partir das 9h, pela TV Câmara, Canal 23 da Net.

A referência da vereadora aconteceu devido a ações impetradas pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) junto ao Ministério Público (MP) para reaver terrenos doados às instituições religiosas. “A prefeitura não quer dizer que ela está reavendo estes terrenos, mas todos sabemos que as ações foram impetradas por ela, que desde 2003 tem provocado o MP para fazer isso. O Executivo ainda alega que as igrejas não estão desempenhando seu papel social, mas, gostaria de saber qual instituição realiza mais ações sociais do que as igrejas, sejam elas evangélicas ou católicas”, comentou a vereadora.

A parlamentar elencou diversas ações sociais realizadas pelas instituições religiosas na cidade, a exemplo do ‘Projeto Andarilho’, que dá assistência aos mendigos da cidade; do ‘Vidas por Vidas, que trabalha no incentivo da doação de sangue; da ‘Fazenda Esperança’, que trabalha com a ressocialização dos dependentes químicos; da ‘Marcha para Jesus’; e da escola de pastores e pastoras do Betel.

“Por que não fazer um Termo de Ajustamento de Conduta? Fizeram um ajustamento de conduta para a doação do terreno onde será construído o shopping em Mangabeira. Então, pode-se fazer um ajustamento com essas instituições (igrejas) que fazem grandes trabalhos de ação social nas comunidades de João Pessoa. Estamos todos unidos, evangélicos e católicos, em protesto contra essas desapropriações e contra essa intolerância religiosa”, refletiu Eliza.

Outro tema abordado pela vereadora foi o que ela chamou de “Fila do Osso”. Trata-se de uma lista com nomes de cidadãos que esperam por cirurgias ortopédicas nos hospitais públicos de trauma, uma relação que contém 389 nomes de pacientes que estão sofrendo com alguma enfermidade óssea, e que necessitam de cirurgia há pelo menos um mês. Ainda de acordo com a vereadora, existem pacientes que esperam há anos; alguns já fizeram a operação na rede particular por não conseguirem esperar, sofrendo com dores.

Eliza também informou que encaminhou à Secretaria Municipal de Saúde (SMS) requerimento para que a secretária, Roseana Meira, cumpra a agenda de obrigações e comparece à Câmara para prestar contas, “o que deveria acontecer quatro vezes por ano”.

Damião Rodrigues
CMJP

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja online a situação da Pandemia

^ Ir Para Topo ^